sábado, 28 de julho de 2018

Ás vezes sinto-me como Giordano Bruno, com as devidas distâncias

A temida Inquisição acabou, mas deixou sombras compridas.


Giordano Bruno

Egos em luta o tempo todo, desde sempre, suponho eu.
Apesar de ter um contrato a termo certo, sem ser funcionária pública, isto é, tenho um contrato com a empresa estado, desconto para a Caixa Nacional de Pensões e não para a Caixa Nacional de Aposentações, também estou abrangida pela lei que dita obrigatoriedade da cessação da prestação de serviços, ao completar 70 anos. Vou reformar-me, não aposentar-me, mas esta lei aplica-se-me na mesma.
Li na Internéte, que há licenciados a ganhar 300 e poucos euros por mês e que o aumento do emprego foi à custa destes jovens com salários baixos.
E assim vai Portugal!


A especulação imobiliária continua em alta, com alguns escândalos à mistura.
Assim vai Portugal!


As novas viaturas dos bombeiros chegaram com defeito nas bombas de água. Isto significa que a água sai com pouca pressão e torna-se bem mais difícil apagar o fogo. Parece que vão substituir as tais bombas. Este ano?
Assim vai Portugal.



E as boas notícias, que vêm da Suécia (4 milhões e tal de visualizações no facebook):

E de Portugal, Espanha e França. O preço da electricidade vai mesmo baixar?


A escravatura moderna:

E pronto, isto já vai longo.
Boa-tarde.

Nota sobre o dia em que as torres explodiram, "9/11" - nine eleven. Foi o "11 de setembro" entre nós. Em 2001, nos EUA, World Trade Center. Tanta coisa se escreveu sobre este assunto. Este é um dos melhores artigos que eu li. A desmitificação de uma fotografia, um momento no espaço-tempo.
https://www.esquire.com/news-politics/a48031/the-falling-man-tom-junod/

Sem comentários:

Enviar um comentário